Interested in Cryptocurrency?
Visit best CoinMarketCap alternative. Real time updates, cryptocurrency price prediction...

ARIEL CAMACHO lyrics - El Karma

Los Talibanes Del Prieto

Original and similar lyrics
Pactaron morir peleando pactaron morir luchando y pelearon a causa de siempre seguir al mando talibanes los apodan pongan atención contrarios... Ya no se metan al rio si la corriente esta fuerte no pisen terreno ajeno o sabrán quien es la muerte respetan o los educan.. así se maneja la gente... Cargan punteros de sobra por cierto siempre al pendiente no confían ni en su sombra y es muy raro cuando duermen y están en zona de guerra.. y armados hasta los dientes... Son de veintitrés a treinta y con táctica de guerra con esos sobran y bastan para darles la sorpresa pa que ustedes se den cuenta.. como rosa la cadena... Cargan armas poderosas la guajolota empotrada se miran las blindadonas con gente de la empanada escojan bolas o piñas.. pa de una vez detonarlas... La manzana está rodeada hay que reventar portones con el objetivo en mente los talibanes disponen se cubren con las blindadas.. y los discos se recorren... Ahí les deje estos detalles hay sabrán si me hacen caso no les importa morirse se irán bien acompañados con los contras enfrentito.. pa volver a rematarlos... Con la sonrisa en los labios los discos van rellenando somos la gente del prieto lo mejor es no toparnos será una misión suicida.. y de Joaquín traen respaldo...

Abalando

Gabriel O Pensador
Gabriel o Pensador o homem que eles amam odiar Agora voltou para, Hrm, Hrm, tentar falar Isso é se ningém quiser me censurar me calar (Manera rapaz, da última vez eles te tiraram do ar) Não eu não consegui acreditar nisso Mas não vâmo esqucer e nem permanecer omissos Num caso que diz respeito ao direito de um cidadao De carregar no peito a sua liberdade de expressão Liberdade de expressão aqui? Ha, não existe Eu fiz Hoje eu tô feliz e fiquei triste Pois já não posso mais nem sair em paz Os fdp confundem artistas com marginais Mas eu não sou um marginal, isso é um grande erro Sou apenas um artista como todo brasileiro E o meu erro foi dizer o que não devia Acreditei que existia o quê: (Democracia...) Então eu disse simplesmente o que o povo sente Mas fui covardemente censurado pelo ( Minha gente! ) E a vontade que me dá, não me venha perguntar Eu vou falar. A vontade que me dá é de matar É uma loucura! Ninguém cura esse país se num acabarmos com a censura que me lembra a ditadura militar (Cale-se! Cuidado!) (Como é dificil acordar calado) Eles não censuram o povão Pior do que acordar calado é acordar sem pão (Paiê cadê o pão? Foi censurado Paiê cadê o leite? Foi censurado Paiê o quê que é carne hein?) Essa é a censura na panela de um descamisado (Paiê cadê o ovo? Foi censurado Paiê cadê o arroz? Foi censurado porra! Pai tem feijão? Não, toma essa água suja com farinha e num reclama pra num ser processado) E a diversão era um futebol inocente (Quero perder de vez sua cabeça) Então eu vi um pessoal nema pelada diferente Jogando futebol com a cabeça do Presidente (Cale-se) O povo unido outra vez foi vencido Pediu pra ouvir meu rap mas não foi atendido (Ué mas não existe mais censura no Brasil) Amigo vai nessa que tu tá é fud... E foi só uma cabeça que caiu Nem demos a primeira então não vâmo sair de cima ouviu? Vem! A gente abala quando quer A gente abala se quiser Vem! A gente abala quando quer A gente abala se quiser Porque o Pensador veio falar do que passou Eu te digo: Não se lembre do passado e o teu futuro será escuro Não se esqueça o que passamos há tantos anos Procure a luz, mete o dedo na ferida viva a vida, limpa o pus E conduz o pensamento para o tempo que quiser Fique atento não se esqueça a gente abala quando quer (Agora que lembramos um passado recente Vamos falar do presente. E daqui pra frente?) Não vamos nos intimidar Chega de ser prego É melhor ser o martelo rapá! Mas também não não pense que o Brasil já foi pra frente Pois como sempre ele está no mesmo lugar E sempre estará se você não acordar Se a gente não se julga inteligente o suficiente pra mudar Seria melhor se suicidar Mas na verdade esse momento é de nascimento (É a hora H) Não vamos nos alienar Olhe pro seu lado e veja como o povo está (A arte é de viver da fé Só não se sabe fé em quê E que fé será se não for a fé em nós mesmos pô (Isso aí Pensador) Get up Stand up Você não veio ao mundo á toa E se veio fazer algo faça alguma coisa boa O que tá errado (tudo) Deve ser mudado Abalando as estruturas com o Pensador (Tô ligado!) Eu tô falando de uma reformulação Que começa na cabeça e vai passando pelo coração Se voçê tem cabeça e coração Não seja um vegetal Seja um cidadão (É geração cara pintada?) Não. Jovens em geral Caras pretas, coroas, pessoas, malucos e caretas (Entrem nessa união) Não seja um imbecil meu irmão Põe a mão na cabeça, pára pra pensar Nós Temos o poder de abalar... (Tá na hora, vamô lá!)

Que Sonrisa Tan Rara!

Extremoduro
tu mirada envasada al vacío como una mermelada, solamente necesito una tostá que me la encuentro por debajo de tus bragas y si huele a quemao: soy yo. Adivina ¿Cuánto tiempo hace que yo ya no follaba? me abrazaste y se me puso dura, yo ya empiezo a notar desbordarse: los pantanos de toa Extremadura. Disimula Que ha parado la guardia civil ¿Y dónde coño he puesto el pantalón? destrozaron nuestra intimidad pa pedir la documentación ¡Tanta curva! y las vueltas que nos dió el amor, se debió mover el Amonal y al meter la napia en el camión a tomar por culo dos y dos. Dejadme de hablar, no me hace reir, la gente normal se podía morir. ¡Qué sonrisa tan rara! Cada mañana bajo al infierno y el diablo me lee cuentos, yo solo canto y digo que son poesias y al momento me levanto de la cama y al cuarto de hora no tengo ganas de ná. Hago un esfuerzo pa respirar pa fuera y luego pa por dentro, pa reventar haciendo mucho ruido, hay quien pensaba que era un nuevo Dios naciendo y era un peo de un exquisito cocido. Dejadme de hablar, no me hace reir, la gente normal se podía morir. ¡Qué sonrisa tan rara!

Parole

Francesco Guccini
F.Guccini Parole, son parole, e quante mai ne ho adoperate e quante lette e poi sentite, a raffica, trasmesse, a mano tesa, sussurrate, sputate, a tanti giri, riverite, adatte alla mattina, messe in abito da sera, all'osteria citabili o a Cortina, o a Marghera. Con gioia di parole ci riempiamo le mascelle e in aria le facciamo rimbalzare e se le cento usate sono in fondo sempre quelle non è importante poi comunicare, è come l'uomo solo, che fischietta dal terrore e vuole nel silenzio udire un suono, far rumore. Mio caro amore si è un po' come commessi viaggiatori con campionari di parole e umori a ritmi di trecento e più al minuto; amore muto beati i letterari marinai così sul taciturno e cerca guai così inventati e pieni di coraggio. Io non son quei marinai, parole in rima ne ho già dette (e tante, strano, ma ne faccio dire) nostalgiche, incazzate, quanto basta maledette, ironiche quel tanto per servire a grattarsi un po' la rogna, soffocati dal collare adatto per i cani o per la gogna del giullare. Poi andare sopra un palco per compenso o l'emozione: chi non ha mai sognato di provare? Sia chi ha capito tutto e tutto sa per professione ed ha un orgasmo a scrivere o a fischiare, sia quelli che ti adorano fedeli e senza intoppi, coi santi non si scherza, abbasso il Milan, viva Coppi! Amore sappi beato chi ha le musiche importanti, le orchestre, luci e viole sviolinanti, non queste mie di fil di ferro e spago; amore vago, mi tocca coi miei due giri costanti far il make-up a metonimie erranti: che gaffe proprio all'età della ragione. E sì son tanti gli anni, ma se guardo ancora pochi, Voltaire non ci ha insegnato ancora niente, è questo quel periodo in cui i ruggiti si fan fiochi oppure si ruggisce veramente ed io del topo sovrastrutturale me ne frego; chi sia Voltaire mi dite? va be', dopo ve lo spiego. E se pensate questi i vaniloqui di un anziano lo ammetto, ma mettiamoci d'accordo conosco gente pia, gente che sa guardar lontano e alla maturità dicon sia sordo perché i rincoglioniti d'ogni parte odian parecchio la libertà e la chiamano vagiti , o ostie di un vecchi. Amore a specchio, è tanto bello urlare dagli schermi, gettare a terra falsi pachidermi coprendo ad urla il vuoto ed il timore. Qui sul mio onore, smetterei di giocar con le parole ma è un vizio antico e poi quando ci vuole per la battuta mi farei spellare. Eee, le chiacchiere son tante e se ne fan continuamente, è tanto bello dar fiato alle trombe o il vino o robe esotiche rimbomban nella mente esplodono parole come bombe, pillacchere di fango, poesie dette sulla sedia, ghirlande di semantica e gran tango dei mass-media. Dibattito, dal vivo, miti, spot, ex-cineforum, talk-show, magazine, trend, poi TV e radio telegiornale, spazi, nuovo, gadget, pista, quorum, dietrismo, le tangenti, rock e stadio, deviati, bombe, agenti, buco e forza del destino, scazzato, paranoia e gran minestra dello spino. Amore fino lo so che in questo modo cerco guai ma non sopporto questi parolai non dire più che ci son dentro anch'io, amore mio se il gioco è esser furbo o intelligente ti voglio presentare della gente e certamente presto capirai. Ci sono, sai, nascosti, dietro a pieghe di risate che tiran giù i palazzi dei coglioni, più sobri e più discreti e che fan meno puttanate di me che scrivo in rima le canzoni, i clown senza illusioni, fucilati ad ogni muro se stan così le cose dei buffoni sia il futuro. Son quelli che distinguono parole da parole e sanno scegliere fra Mercuzio e Mina, che fanno i giocolieri fra le verità e le mode, i Franti che sghignazzano a dottrina, che irridono ai proverbi e berceran disincantati: Fra Mina e fra Mercuzio son parole, e non son frati!

Ya Quisiera Yo

Ismael Serrano
Ya quisiera yo ser libre pensador no oir el rugir de tripas de tantos ni su llanto ni su dolor. Establecerme correcto, filósofo, neutral, independiente, manejarme bien con toda la gente. Ya me gustaría a mi alinearme con los no violentos regalar flores descalzo arrancadas de algún tiesto sin tener que poner la otra mejilla para nadie al no ser amenazado por ningún indeseable. El caso es que me afectan las cotidianas tristezas la de los supermercados, la del metro y las aceras y también las que me quedan lejos las de los secos desiertos las de las verdes selvas. El caso es que me parecen buena gente algunos luchadores del ocaso que se parten el pecho por ser escuchados que morirán en alguna esquina tiroteados. Quisiera ser mas listo, pasar de largo saberme libre de culpa, limpio de pecado ser alma caritativa, Maria Goretti o santa sufrir dolo un poquito, solo lo que Dios manda. No entender de política, ni de sus actualidades convencerme que es red de araña y nido de alacranes y mutilar mi alma y mi escencia de animal social saberme superior a tanta frivolidad. El caso es que me afectan quizá demasiado la tristeza de los suburbios, el drama urbano. Saber que seremos caníbales dentro de poco y que no habrá carne suficiente para todos. El caso es que me afecta quizá mas de lo normal tener tanto miedo al cruzar mi portal ver que arde mi ciudad o sangra el asfalto quizá debería ver menos el telediario. Quisiera ser mas listo, adoptar bien la pose librarme de etiquetas, hasta la de hombre y entender que solo yo me entiendo y que no me entinde nadie ser un buen ciudadano formal y respetable. Omitir de mis canciones palabras como: compañero obrero, justicia, guerrilla, paz, hambre o miedo y hablar del amor, de cosas bonitas, de mis recuerdos contar alguna anécdota graciosa de cuando era quinceañero. El caso es que me afectan las cotidianas tristezas la de los supermercados, la del metro y las aceras y también las que me quedan lejos las de los secos desiertos las de las verdes selvas. El caso es que me parecen buena gente algunos luchadores del ocaso que se parten el pecho por ser escuchados que morirán en alguna esquina tiroteados.

Sin Fortuna

Lupillo Rivera
Sin Fortuna Yo naci sin fortuna y sin nada desfiando al destino defrente hasta el mas infeliz me umillaba ignorandome toda la gente va de pronto mi suerte a cambiado…….. y de pronto me vi entre la gente. Y esa gente finjir se dichosa Frente a un mundo bulga y embustero Gente hipocrita ruimbe y dinosa Que de nada le sirve el dinero Que se muere lo mismo que el pobre……….. Y su tumba es el mismo abujero…….. Ahora voy por distintos caminos posiguiendo tan so al destino y entre pobres me siento dichosos si es amando do mi amor eterno con los pobres me quito el sombrero y deprecio hasta el mas poderoso soy cabal y sincero les digo el habrado mi propio destino prometiendo la mano al amigo pero al rico jamas me lo humillo yo nunca tuve el calor de u beso mis pobres viejos trabajaban tanto que nunca tuviron timpo para eso y haci cresi sin ignorar el llanto no fui a la escula yo aprendi de grande las letras no entran cundo se tiene hambre y no hay quien te da la mano si eres pobre por eso vuelvo a este pueblo viejo donde la vida me trato tan mal y esta es mi raza que por nada dejo aunque volviero yo a sufrir igual compa soy cabal y sincero les digo el habrdo mi propio destino prometiendo la mano al amigo pero al rico jamas me lo humillo

Was it funny? Share it with friends!